Brasil poderá ser um dos cinco maiores exportadores de petróleo até 2026
  •  
    • pt-br
  •  
  • Home
  • /Sem categoria
  • /Brasil poderá ser um dos cinco maiores exportadores de petróleo até 2026
Brasil poderá ser um dos cinco maiores exportadores de petróleo até 2026

Brasil poderá ser um dos cinco maiores exportadores de petróleo até 2026

Uma combinação de fatores que inclui o crescimento na produção e a falta de expansão nos processos de refino pode colocar o Brasil entre os cinco maiores exportadores de petróleo do mundo até 2026. A análise é do diretor de Estudos de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da Empresa de Pesquisas Energéticas (EPE), José Mauro Ferreira Coelho.

A entidade aponta que, em 2026, o Brasil atingirá a produção de 5,2 milhões de barris de petróleo (óleo e gás) por dia. As refinarias brasileiras têm capacidade de processar menos da metade deste volume – apenas 2,2 milhões de barris. Neste cálculo, a exportação passaria para cerca de 3 milhões de barris diários.

Caso essa perspectiva se consolide, o Brasil ficaria atrás apenas da Arábia Saudita, Rússia, Iraque e Canadá entre os maiores exportadores de petróleo do mundo.

Mesmo antes do ingresso nesse ranking dos maiores exportadores, o país já ocupa um local de destaque no cenário global do petróleo. A Agência Internacional de Energia (International Energy Agency, em inglês) colocou o Brasil em nono lugar na produção mundial em 2017, quando a média diária foi de 3,2 milhões de barris ao dia.

Exportação de produto bruto, importação de refinado

Uma questão fundamental no mercado de energia é o refino. Isso porque, mesmo o Brasil sendo um 10 dos maiores produtores do mundo, continua tendo que importar produtos como GLP, nafta, óleo diesel, querosene de aviação e gasolina. Os números de 2017 apontam uma média de 547 mil barris ao dia.

“Nós temos um parque de refino que não é capaz de processar todo o petróleo que produzimos. Deveríamos ter mais investimentos neste segmento no Brasil para que pudéssemos abastecer o mercado nacional de derivados sem a necessidade de importação”, indicou José Mauro.

Foto: Oficial da Petrobrás por Ehder de Souza