Exportações de frutas devem atingir US$ 1 bi em 2019
  •  
    • pt-br
  •  
Planejamento público e privado prevê que exportações de frutas atinjam US$ 1 bi em 2019

Planejamento público e privado prevê que exportações de frutas atinjam US$ 1 bi em 2019

Ainda estamos pensando nas resoluções para 2018, mas as projeções do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) focam já em um 2019 promissor quando o assunto é exportação de frutas. A expectativa é atingir, pela primeira vez, U$ 1 bilhão graças à renovação do convênio com a Apex-Brasil. As tratativas possibilitam a realização de uma série de ações internacionais, além da promoção e incremento das exportações, e a implantação do Plano Nacional de Desenvolvimento da Fruticultura. Execução que deve contribuir com a enorme cifra.

Para o presidente da Associação Nacional dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas), Luiz Roberto Barcelos, em entrevista ao portal comexdobrasil.com, um dos grandes passos dados ocorre já no início de 2018 objetivando o crescimento exponencial e o foco na meta de 2019. É a participação do país na Fruit & Logistica, feira internacional que será realizada em fevereiro em Berlim (Alemanha). O Brasil estará representado por 22 expositores em um espaço de 500 metros quadrados. “Neste mesmo segmento de promoção internacional participaremos da Fruit Attraction, que será realizada em outubro, em Madri (Espanha)”, ressalta.

Barcelos destaca que o Brasil é o terceiro produtor mundial de frutas, mas está somente na 23ª posição de exportação. Ele credita vários motivos a esse desempenho. Como a falta da cultura exportadora e o próprio tamanho do mercado interno, que consome 97% da produção. O presidente da Abrafrutas, no entanto, considera que este planejamento do Mapa, em parceria com as as diversas cadeias envolvidas no setor, alavancará as exportações de frutas.

O papel de destaque do Brasil internamente deve ganhar também uma visão internacional com a possível realização de uma feira internacional (nos moldes das que o país participará em 2018) para atender ao menos a demanda da América do Sul. “Embora acreditemos que um evento desses no Brasil trará bastante benefícios ao setor, estamos esperando uma consolidação do aumento das exportações, um incremento de empresas exportadoras e principalmente um aumento nos países de destino das nossas frutas, para podermos então promover os uma feira de nível internacional do Brasil”, considera.